Iemanjá

Iemanjá é o trono divino da geração, e o seu campo preferido de atuação é no amparo à família. Está próxima da paz e longe de conflitos. Possui vários nomes dentro dos inúmeros Terreiros do Brasil, como Sereia, Janaina,   Mãe d’água, Senhora dos Navegantes entre outros. É a Senhora Rainha do dos Mares e dos Oceanos, protetoras dos navegantes, dos pescadores de todos que habitam ou cruzam seus domínios, ressaltando ainda, que o seu reino é maior que a terra! Em seus cantos nós vislumbramos a sua grandeza.  Sincretizada como Nossa Senhora da Conceição. Nos cultos é reverenciada como a mãe dos demais Orixás, com exceção de Nanã Buruquê, Obaluaiê, Omulu, Iansã e Ossãe e Oxalá. É uma das figuras mais conhecidas no Culto Afro Brasileiro e fora dele, tendo suas festas sempre bem faladas pela imprensa.  É a protetora da família, a energia que promove o equilíbrio dentro dos lares.

Os filhos de Iemanjá geralmente, mostram se mais diretos no trato com as demais pessoas, sendo capazes de fazer pirraças e chantagens emocionais. A força, a determinação e a perseverança são partes integrantes do seu caráter, assim como a amizade. São pessoas atadas ao arquétipo da mãe, no sentido da proteção. A família e os filhos são a razão da sua existência. A relação com eles é carinhosa, porém não se esquecendo de impor limites, a importância do respeito. São pessoas que não gostam de viver sozinhas, sentem falta da sua tribo, tendo por hábito casarem cedo, porém antes disto são bastante namoradores. Seu caráter pode levar o filho desse Orixá a ter uma tendência a tentar consertar a vida dos que a cercam, infringindo às vezes os seus limites. Um filho de Iemanjá pode tornar-se rancoroso e ressentido, remoendo questões antigas por anos e anos sem esquecê-las jamais.