Exú: O guardião

Antes de mais nada que fique bem entendido para os irmãos que Exú é um Orixá. Talvez esta afirmação traga surpresa para muitos, mas esta é a verdade e um fato. É um  Orixá como os demais de energia positiva que já são bastante conhecidos como Ogum, Xangô, Iemanjá e outros.

Ele é a porção negativa da magia. Não tem ligação nenhuma com o Demônio citado nas liturgias católicas ou protestantes, portanto ele não é o Inimigo da humanidade. O nome Exú, traz em sua essência muitos valores agregados. A princípio traduz-se como “Esfera”, o que é circular, o que envolve ou engloba a tudo, não tendo início nem fim.

Este Orixá é o mais visado pelos que não compreendem a religião e até mesmo por outros que já praticam a religião. É o mais erroneamente cultuado, o que mais sofre preconceito.

Mas, o que a maioria não sabe é do fato que ele o mais necessário, sem ele não se faz nada dentro do Terreiro, o que mais trabalha e é o que mais está perto dos encarnados, praticantes ou não das religiões de cunho africano.

Para começar podemos afirmar que Exú é o equilíbrio negativo que há dentro do Universo. É o equilíbrio negativo desta dimensão que vivemos. É a parte negativa de tudo que há. Ser negativo não é o mesmo que dizer que seja mal; Exú é criatura de Zâmbi.

Não faz oposição a Deus; muito pelo contrário, é o principal Soldado diante do verdadeiro Inimigo. Ele faz a intermediação entre o Orun e o Aiê (mundo espiritual e o mundo físico). Por este motivo é que dentro dos Cultos Afro não se realiza nenhuma cerimônia sem antes termos com Exú.

É o primeiro em qualquer ritual a ser evocado e a receber qualquer tipo de oferenda para que nada perturbe os Trabalhos. Exú está presente nos jogos de adivinhação. Ele é a determinação encarnada.

Todos temos em nossa essência uma porção negativa que é o próprio Exú. Se prestarmos bastante atenção e lembrarmos de nossa infância, lembraremos que em nosso corpo físico bem abaixo do nosso umbigo, em direção ao órgão sexual, há uma linha que lembra uma marca d’água, porém visível.

Esta linha indica nossa formação ou construção, onde somos “unidos”, dividindo-nos ao meio. Esquerda que é a porção negativa Exú, e direita que é a porção positiva. Este é o legado que determina o porquê de termos o “livre arbítrio”.

Paz e Alegria! Mutaleci