Médium

Caros irmãos, existem muitas referências a este termo. Encontraremos muitas páginas tentando passar a compreensão do que vem a ser um “Médium”. Para se compreender a palavra em si, é necessário que o aspirante a Médium tenha dentre outras qualidades, desprendimento, comprometimento, boa vontade, interesse e Amor ao próximo. Isto por que, ao contrário dos muitos que intitulam o termo, o significado é bem simples. Médium se traduz em “Operário”, trabalhador a serviço do Bem! Portanto, mediunidade é trabalho a ser cumprido para o bem do próximo, e assim em benefício de si mesmo.

Uma coisa importante e que muitos ignoram é que todo o encarnado é Médium, isto é um fato. Muitos pensam que somente as pessoas que praticam as religiões com Fundamentos Espíritas são Médiuns, mas isto não é verdade. O que difere um Médium de outro são as “Faculdades Mediúnicas”, elas são as ferramentas que o Médium traz em sua encarnação. Todos são Médiuns em maior ou menor grau. O que as pessoas precisam é encontrar suas vocações a serviço do Bem e buscar se desenvolver espiritualmente, não só dentro de religiões espíritas mas em qualquer religião, pois em todas as religiões do mundo operários a serviço do Bem e suas ferramentas estão presentes.

Não se deve confundir Médium com Mediunidade. Como já disse o Médium é o “Medianeiro”, o instrumento. A Mediunidade são as ferramentas. Para exemplificar, a prática mais comum dentro de um Terreiro é a incorporação das Entidades. Nesse caso os Médiuns que experimentam este “transe”, são dotados da “ferramenta” “Mediunismo” que é a capacidade de incorporar Entidades. Existem outras “ferramentas” e ou “faculdades mediúnicas” como a capacidade de transmitir uma mensagem de uma Entidade que é a “Psicografia”, há a capacidade de ver a Entidade que é a “Vidência”, há também a “Clarividência” que a capacidade do Médium de ver acontecimentos futuros ou passados, há os “Sensitivos” que conseguem perceber a aproximação de Entidades de boa Energia e também as de má energia, e ainda existem outras “ferramentas” que os vários tipos de Médiuns dispõem para execução de suas tarefas a serviço do bem.

Trabalhador! Para o mal ou para o bem; isto é ser Médium Praticante, dependendo dos valores éticos, religiosos ou morais de cada um, e segundo o “livre arbítrio” a que todos temos o direito de livre escolha. Há os que buscam o destaque experimentando o orgulho em meio aos próprios irmãos, isto é a Vaidade no Médium, um dos grandes males que existem dentro dos corpos mediúnicos na maioria dos Terreiros. Dificilmente o responsável pela Casa conseguirá tratar este problema, lembrando que o próprio, também é um encarnado buscando a sua própria melhora em busca do aperfeiçoamento. Ser Médium é buscar a Caridade primeiramente para com si mesmo, e depois para com seu semelhante. Todos em menor ou maior grau já errou bastante e ainda vamos errar muito, e é nisto que se baseia as faculdades mediúnicas, a busca da Caridade incondicional.

Outra situação que é ignorada pela maioria de nós Médiuns Praticantes, é que reside em cada um de nós a responsabilidade de sermos os representantes de nossas árvores genealógicas espirituais em nossas encarnações. Me refiro aos que igualmente a mim, escolheram como religião, às de natureza espiritual, ao Centros Espíritas e ou Terreiros de culto afro. Nossos ancestrais, os Caboclos, Pretos Velhos, Ibeijis, Boiadeiros e Escoras e outros, são nossa família espiritual, as Entidades que nos assistem!

Mediunidade é a prática do Amor, deve ser um exercício constante! Ser Médium Praticante é sempre uma nova oportunidade de resgate de nossas próprias horas de culpa. Ser Médium Praticante é uma benção, uma dádiva!

Paz e alegria!